domingo, 15 de agosto de 2010

“A vida, constatou ele, assemelhava-se muito a uma melodia.
No princípio, há um mistério, no final, uma confirmação, mas é no meio que toda a emoção reside e faz que a tonalidade valha a pena.
Pela primeira vez em meses, não sentiu o mais leve indício de dores; pela primeira vez em anos, sabia que as suas perguntas tinham respostas. Enquanto ouvia a melodia que Ronnie compusera, a melodia que Ronnie aperfeiçoara, fechou os olhos na certeza de que a sua busca pela presença de Deus tinha sido cumprida.
Compreendera finalmente que a presença de Deus está em toda a parte, em todos os momentos, e que toda a gente, numa ocasião ou noutra, a vivenciara. Estivera com ele na oficina enquanto trabalhava arduamente na janela com Jonah; estivera presente nas semanas que passara na companhia de Ronnie. Estava presente naquele momento em que a filha tocava aquela melodia, a última melodia que haveriam de partilhar. Em retrospectiva, admirou-se como é que algo tão inacreditavelmente óbvio lhe poderia ter escapado.
Deus, compreendeu subitamente, era o amor na sua forma mais pura, e, ao longo dos últimos meses que passara junto dos filhos, sentira o Seu toque com a mesma certeza que ouvia a música a extravasar das mãos de Ronnie.”
Excerto de “A melodia do Adeus”

8 comentários:

  1. Obrigada (:
    Não li esse livro, vi o filme e adorei.
    Mas já li 3 livros do Nicholas Sparks .
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. pois é. é mágico, parece que tamos nas nuvens

    ResponderEliminar
  3. Oh, obrigada :) Sim, a Margarida Rebelo Pinto é um optima escritora. Derreto-me com as frases dela :b

    ResponderEliminar
  4. a quem o dizes.
    adorei, e vou seguir.

    ResponderEliminar

Obrigada =D